6/6/2019 09:32

Sobrevivente ao incêndio no Flamengo, Kennyd recomeça sonho no Corinthians

Jogador de 15 anos viveu a tragédia no Ninho do Urubu e hoje mora no alojamento do clube paulista e mantém esperança de chegar ao profissional

Aconteceu que naquele dia Kennyd não estava para conversa. Os três companheiros de quarto não paravam de falar e ele queria um pouco de privacidade com a namorada no WhatsApp. A monitora que cuidava do alojamento no Ninho do Urubu passou para ver o que estava acontecendo e Kennyd pediu para passar a noite na sala de convivência. Ela não deixou e mandou que todos dormissem.



O rapaz esperou que a responsável deixasse o local e saiu escondido para ter seu momento de sossego. Pegou no sono na sala e acordou no meio da madrugada com os gritos dos amigos. O alojamento estava em chamas. Ele saiu correndo para ajudar, quebrou duas janelas, mas não deu para evitar a tragédia. Dez garotos da base do Flamengo morreram no incêndio em 8 de fevereiro.


O acidente virou a vida do garoto de 15 anos de ponta cabeça. Ele precisou interromper os estudos, pois a escola ficava no CT rubro-negro e voltou para Cuiabá, onde morava com o pai e a avó - a mãe vive em Poconé, no interior do Mato Grosso. Em sua cidade natal, foi recebido como herói, dava entrevistas, aparecia na televisão e ao mesmo tempo ia ao psicólogo, oferecido pelo Flamengo.

O pai, Claudemir Mira, não estava gostando, pois a vida de superstar na cidade também o fazia reviver o trauma. "Ele acordava assustado no meio da noite pedindo socorro", conta. Claudemir chegou no empresário, Marcelo Demarco, uma espécie de segundo pai de Kennyd, e pediu que ajudasse a encontrar uma solução. O agente sugeriu que o garoto fosse para o Brasilis, clube de Águas de Lindoia por onde havia treinado antes de ir para o Flamengo.

Após 17 dias no interior paulista, apareceu o convite do Corinthians para fazer teste no clube. Em três dias, em meados de abril, foi aprovado. Em seguida, matriculou-se na escola a tempo de não perder o semestre e a vida voltava a entrar no eixo.

Para o pai de Kennyd, o período entre a tragédia e o acerto com o Corinthians foi um dos mais difíceis da vida. Claudemir é caminhoneiro e, como ele diz, tem "de vender o almoço para pagar a janta". No dia da tragédia, ele só soube o que aconteceu pelos colegas de trabalho. "Disseram que tinham morrido os garotos da base do Flamengo. Fui à loucura. Fui em outra dimensão e voltei. Enquanto não falei com meu filho não consegui fazer nada. Liguei as primeiras vezes e ele não atendeu. Foi a pior sensação possível. Não tem nem como descrever. O empresário que conseguiu contato e me disse que estava tudo bem com o Kennyd. Fiquei o dia todo ruim", contou.

Kennyd voltou para Cuiabá e pediu ao pai para romper com o Flamengo. Dos três colegas de quarto, dois morreram. No Mato grosso, recebeu ajuda de todos. A população se mobilizou para arrecadar dinheiro para que ele comprasse roupas.

O dono da escolinha de futebol da cidade onde ele havia iniciado a carreira o chamou para treinar. Delrik Brunne contou que Kennyd estava bem e chegou a disputar uns jogos pela equipe. "Procurei não ficar perguntando da tragédia. Ele é muito maduro para a idade dele."

Foi nessa escolinha anos atrás que Kennyd e Marcelo Demarco Filho, o filho do empresário, estreitaram amizade. Como Claudemir tinha dificuldades para acompanhar o filho, Marcelo, o pai, passou a dar uma força. No ano passado, a vida dos meninos começou a deslanchar com o convite do Brasilis. Kennyd passou quatro meses no clube do interior paulista, conheceu a namorada de uma cidade vizinha, Monte Sião, e recebeu o convite do Flamengo. O filho de Marcelo segue em Águas de Lindoia. "O Kennyd tem tudo para ser um grande jogador. Tem o estilo do Fagner, mas joga de lateral-esquerdo", disse Demarco.

Quando surgiu o convite do Corinthians, o pai assinou uma procuração e deixou o agente responsável por tomar a decisão do acerto. Até os 15 anos, os atletas podem assinar apenas contrato de formação, com validade de 12 meses.

Kennyd vive no alojamento do clube, em uma casa próxima ao Parque São Jorge, divide o quarto com outros três garotos e recebe auxílio de R$ 700 por mês. O local conta com 46 garotos entre 14 e 17 anos e é provisório, enquanto as obras no CT Joaquim Grava para receber a base não ficam prontas.

Para ficar com o garoto, o Corinthians venceu a concorrência do São Paulo e do Palmeiras. Kennyd treina à tarde, estuda à noite e os jogos são aos sábados pela manhã. Desde que chegou, recebe tratamento igual aos demais. Ele foi avaliado por psicólogo, assistente social e orientador educacional. A comissão técnica nunca tocou no assunto da tragédia com o garoto. É algo que fica só no departamento de saúde. Kennyd tem à disposição os psicólogos para quando precisar.



No Corinthians tem surpreendido pela maturidade. É um menino extrovertido e se integrou rapidamente ao elenco. Para melhorar, marcou um gol em sua estreia, mas se machucou em seguida. A volta será em breve. Nessa idade, os técnicos costumam dizer que os meninos são de borracha: levam a pancada e logo se recuperam.



VEJA: Clique aqui e veja as promoções que a Network BG preparou para você acompanhar todos os jogos do Corinthians da temporada


LEIA TAMBÉM: Diretor do Corinthians tem cautela sobre acerto com o zagueiro Gil

LEIA TAMBÉM: [COMENTE] Quais foram os erros do técnico Fábio Carille na derrota de ontem?

LEIA TAMBÉM: Folga, treinos e amistosos: veja como o Corinthians vai se preparar na pausa para Copa América

30957 visitas - Fonte: Terra Esportes

Mais notícias do Corinthians

Notícias de contratações do Timão
Notícias mais lidas

Seja bem vindo garoto

Boa sorte e seja bem vindo

Carlos Alberto     

Seja bem vindo moleque a nação

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui ou Conecte com Facebook.

Últimas notícias